Colégio Cristo Rei


Em 1934, o Bispo de Cajazeiras, Dom João da Mata Amaral, visitando Patos, percebeu que existia a necessidade de um estabelecimento de ensino que oferecesse uma educação sólida e cristã ao público feminino, uma vez que o tradicional Colégio Diocesano (o primeiro da cidade) absorvia apenas pessoas do sexo masculino.

Em 25 de outubro de 1935, por ocasião da Festa do Cristo Rei, época das missões, Frei Damião abençoou a pedra fundamental da futura unidade de ensino, anunciando à construção dessa maravilhosa obra educacional. Além do dirigente maior da Diocese, se fizeram presentes diversos representantes dos segmentos da sociedade local, entre os quais o Deputado Estadual Ernani Sátyro e o então prefeito municipal Clóvis Sátyro, além da Superiora Geral da Congregação das Filhas do Amor Divino, Madre M. Kostka Bauer, que se encontrava em visita ao Brasil. A referida organização religiosa seria responsável pela direção e manutenção do futuro educandário.

A coordenação da obra foi entregue ao então pároco da Catedral de Nossa Senhora da Guia, Padre Fernando Gomes. Enquanto o prédio era construído, o Educandário Cristo Rei funcionou, provisoriamente, em uma casa particular, na rua Epitácio Pessoa, local que mais tarde daria lugar à Agência do Banco do Brasil.

As primeiras irmãs, Filhas do Amor Divino, chegaram a Patos em 17 de fevereiro de 1938, as quais foram recebidas com grande festa. A Irmã Anunciada Caldas foi a timoneira número um daquele berço educacional. Procedentes de Caicó, elas desembarcaram às 13:00h e foram motivo de calorosa recepção. Em 04 de março de 1938, Patos recebia a nova estrutura que no ano seguinte, já gozava do ensino oficializado.

Em 29 de novembro de 1942, aconteceu a conclusão da primeira turma de professoras do Educandário Cristo Rei, integrada pelas diplomadas: Abigail Aguiar Meira, Aurora Santos, Avani Correia Maia, Bernadete Rangel, Cleonice Carneiro, Emília G. Carvalho, Euzari Ayres Moura, Heloisa Nóbrega Leite, Jaimelina Travassos, Judith A. Veras, Magna X. Lira, Maria Assunção Costa, Maria do Céu Gomes, Maria Figueiredo de Sousa, Maria José César, Maria Lila Leite (Oradora), Maria de Lourdes Lima, Maria Madalena Araújo, Maria da Penha Farias e Marli Gomes de Lima.

Em 19 de março de 1949, era criada a Escola Normal, que funcionaria no Colégio Cristo Rei.
Deus continua a abençoar a vida do educandário, que prosseguiu se encontrando mais vivo, atuante e moderno, garboso de seu trabalho, atravessando décadas e mais décadas, introduzindo mudanças, adequando-se aos novos processos educacionais, sem precisar mudar sua identidade. Através de sua proposta pedagógica, continuou acreditando na transformação da sociedade, porém de forma consciente, coerente com questões as quais envolvam direitos e deveres individuais e coletivos dentro de uma doutrina cristã que promova a libertação do homem, levando-o a resgatar os seus valores.

Entre os dirigentes que mais se destacaram ao longo de sua existência, está a figura da Irmã Maria Teonas Bezerra, educadora de renome, com uma das melhores equipes de professores de Patos e excelentes condições para o trabalho pedagógico, oferecendo, do maternal ao ensino médio, educação de qualidade. E, assim, pretende continuar por anos a fio, juntamente, com os que fazem educação no Vale das Espinharas, colaborando na construção de uma sociedade mais humana, participando e interferindo neste projeto de transformação, dando como testemunho a sua prática diária. O Colégio Cristo Rei sempre acreditou na capacidade, porque sabe que a EDUCAÇÃO não é solução para tudo, mas é a porta de entrada na construção de novos caminhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *